Resenha: Critérios de Qualidade na Educação a Distância

GATTI, Bernardete A. Critérios de Qualidade. In: ALMEIDA, M.E; MORAN, J. M. (Org). Integração das Tecnologias na Educação. Série Salto para o Futuro, Secretaria de Educação a Distância. Brasília: Ministério da Educação, Seed, 2005. P.143-145.

Em seu artigo “Critérios de qualidade”, Gatti, além de fazer uma breve reflexão sobre as condições em que ocorre o processo de aprendizagem a distância, fala sobre características essenciais e critérios a serem atendidos na utilização da ead como uma alternativa eficiente na formação de professores.

A qualificação dos professores foi pauta de diversas pesquisas durante a década de 90, no século XX. Nestas pesquisas foram evidenciadas tanto a necessidade do desenvolvimento de currículos quanto da criação de condições básicas de formação. Uma das alternativas possíveis para o oferecimento desta formação a um número maior de educadores foi a incorporação da educação a distância em várias instituições públicas de ensino superior, viabilizando o atendimento aos educadores nos mais diversos pontos do país.
Tal proposta buscava, ao mesmo tempo, diminuir as estatísticas de carências na formação dos docentes da educação básica e gerar uma nova qualidade para essa formação.
Porém, como ressalta Gatti, “educar e educar-se a distância requer condições muito diferentes da escolarização presencial”. A educação a distância rompe os limites de temporalidade e territorialidade, mas priva os participantes do contato físico constante. O fato de não haver a figura do professor para chamar a atenção do aluno exige do mesmo uma maior determinação e perseverança, bem como novos hábitos de estudo, novas atitudes em face da aprendizagem, novas maneiras de lidar com suas dificuldades.
A autora destaca outras vantagens da formação de professores via ead:
Por outro lado, os educadores envolvidos com os processos de ensino a distância têm de redobrar seus cuidados com as linguagens, aprender a trabalhar com multimídia e equipamentos especiais, maximizar o uso dos momentos presenciais, desenvolver melhor sua interlocução via diferentes canais de comunicação, criando nova sensibilidade para perceber o desenvolvimento dos alunos com quem mantêm interatividade por diferentes meios e diferentes condições.
Para que o aluno possa usufruir de uma boa qualidade formativa na educação a distância, algumas características devem ser garantidas e alguns critérios tem que ser atendidos:
- Ponto de partida (principalmente para os cursos que darão certificação): esclarecimento interativo (presencial ou a distância) sobre seus pressupostos pedagógicos, seu eixo curricular, os conhecimentos que serão envolvidos e o porquê, sua estrutura de funcionamento, materiais e suportes a serem utilizados e processos de acompanhamento e avaliação. Tal característica possibilita aos alunos avaliarem suas possibilidades de envolvimento, o esforço que deles será exigido, as condições de apoio com que contarão, o tipo de material com que lidarão e as formas de avaliação, elevando a motivação e criando o envolvimento no processo de aprendizagem.
- Realização de algumas atividades coletivas, participação de discussões, contatos, trocas, em que aspectos socializadores são desenvolvidos e valores, atitudes e formas de argumentação podem ser construídos e tomar sentido, criando condições para a construção de um sentimento de pertencimento, de cooperação, de partilha, de ser ajudado e de ajudar.
- Aquisição de conhecimentos, tratada e concebida como busca permanente, como reflexão vinculada às práticas sociais e pedagógicas, constituindo-se pela atividade das pessoas em seus contextos. Essa postura propicia uma articulação mais adequada das diferentes áreas de conhecimento num processo de interdisciplinaridade e de redes disciplinares.
- O material didático e de apoio para educação a distância tem características bem diferentes do material usual para cursos presenciais. Precisa ser ao máximo auto-explicativo, oferecendo informações decodificáveis pelos participantes, sem intérpretes, porém criando ao mesmo tempo oportunidades de extrapolações, pesquisa, reconstrução de fatos do conhecimento humano, situações-problema, etc.
Não podem ser materiais informativos simples, textos corridos. A par da informação básica necessária, devem ocorrer problematizações sobre o tema tratado, instigando o participante a encontrar caminhos que lhe permitam avançar no assunto, buscar informações e construir conhecimento. Bem dosados quanto ao conteúdo, construídos com um bom planejamento didático-pedagógico, utilizando de recursos diversos, utilizando soluções de linguagem visuais, auditivas ou gráficas adequadas e atraentes, servem à criação de condições para uma aprendizagem estimulante, um desenvolvimento mais integral do participante, desenvolvimento de hábitos de estudo, crescente melhoria nas habilidades de leitura e outras e desenvolvimento de comportamentos de iniciativa, entre outros. Materiais qualitativamente superiores incorporam aspectos heurísticos em sua concepção, sem deixar de ser acessíveis. Um desafio e tanto!
- Intercalar momentos presenciais e a distância na formação de professores, além de manter um sistema bem estruturado de tutoria dos alunos e apoio presencial e a distância de especialistas, tem se mostrado uma boa alternativa para evitar o abandono do curso;
- Os processos avaliativos precisam ser variados em suas formas (provas, trabalhos, memoriais, elaboração de textos refletindo sobre suas práticas, elaboração de textos mais teóricos, grupos de discussão, observação das práticas, etc.) e bem programados. Além disso, os critérios de valoração dos diferentes meios avaliativos precisam ser claros e utilizados como meio constante na direção de ajudar o participante a avançar em seus estudos.
De todas as qualidades que um programa de ead precisa, a principal delas é a interatividade constante e atenciosa, propiciada por diferentes meios no mesmo programa (momentos presenciais coletivos, Internet, telefone, videoconferências, telessalas, teleconferências, etc). Manter o diálogo, as trocas, as vivências e os relatos é colocar o humano a humanizar o tecnológico, pondo este a serviço do humano, e não vice-versa.
Gatti destaca ainda que os processos educacionais são processos de socialização, portanto “a interatividade com participação igualitária é qualidade indispensável a qualquer programa de educação a distância de professores, numa perspectiva de sociedade democrática”.

Esta resenha foi produzida por:
Elaine Cardoso Fialho Silveira. Pedagoga Empresarial e pos-graduanda da especialização em Mídias na Educação, oferecido pelo Ministério da Educação e Cultura, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (Gravataí - RS - Brasil)
Material autorizado enviado para o blog pela autora.

Unknown

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá!
Participe deste blog! Deixe seu comentário, sugestão, elogio ou critica!
Ficarei muito feliz em receber seu comentário.
Abraços

Instagram